MENU

Olá galera! Tudo bom? O post de hoje é uma continuação da nossa série de três artigos, falando sobre o nosso casamento. Se você não viu o primeiro, corre lá e confira como foram os nossos preparativos nos dois anos anteriores ao casório!

Nesse post contarei como foi o nosso grande dia e a preparação da fazenda durante a semana inteira. Cola com a gente que tem muita dica legal!

A tensão da semana

Se você está acompanhando a série de posts, já sabe que nos casamos na sexta-feira, dia 03/11/2017. Como o casório aconteceu em uma fazenda perto de Barbacena, era necessário irmos pra lá com uma antecedência muito maior.

A nossa maior preocupação era a chuva. Afinal de contas, desde que nos conhecemos por gente, feriado de finados = MUITA chuva! Por isso, antes da ida para a fazenda cogitamos muita coisa, até comprar guarda-chuvas na Rua 25 de março, de São Paulo.

O pai da Camila estava na fazenda desde o fim de semana anterior, nos atualizando sobre o tempo. Como é comum dessa época, o que acontecia todo dia era um amanhecer com neblina, chuviscos ao longo do dia e poucas horas de tempo aberto.

No final das contas, decidimos contar com a sorte e bater o martelo na cerimônia ao ar livre. Como mudamos todo o planejamento pensando em casar na fazenda, não faria sentido abrir mão de um visual sensacional colocando uma tenda na cerimônia.

É bom lembrar que as tendas para a área da festa já estavam contratadas. Até porque não é possível montar a boate, iluminação cênica, caixas de som e outros equipamentos ao ar livre, correndo o risco de molharem e estragarem. E para uma festa noturna, a tenda não faz tanta diferença, principalmente se os profissionais de iluminação e decoração fizerem um bom trabalho, como foi o nosso caso.

Os ajustes de última hora

Por mais que a gente tenha passado meses planejando, organizando e executando muita coisa importante, SEMPRE existem aqueles detalhes que vão ser resolvidos de última hora. Por isso, fomos para a fazenda na segunda-feira, limpar a casa e ajeitar as coisas para receber os convidados.

Por conta do risco de chuva, combinamos com o pessoal da tenda que a montagem fosse feita na segunda. Dessa forma, teríamos pronta a estrutura mais espaçosa da festa. E tudo correu como o combinado! Só temos elogios ao pessoal que fez a montagem das três tendas que contratamos (1 de 10m x 10m e 2 de 5m x 5m).

Com a fazenda arrumada e as tendas instaladas, voltamos para Belo Horizonte na terça-feira. Vale lembrar que é um trecho de quase 3 horas e 200 km de distância. Nunca fomos tanto para o mesmo lugar em um ano!

Chegando em BH, antes mesmo de ir para casa almoçar, fomos buscar sousplats e toalhas de mesa. Como a decoração foi um presente da tia da Camila, todo custo desse tipo de peça ficava por nossa conta (inclusive o transporte).

A quarta-feira foi, sem dúvidas, o dia mais conturbado da semana do casamento. Enquanto eu fui na barbearia e buscar o meu traje e os vestidos das daminhas, a Camila foi ao salão, além de buscar o próprio vestido e os balões que as daminhas usaram. Isso sem contar o acerto final que fizemos para a maquiagem das madrinhas.

Tudo isso com um típico trânsito de final de ano em Belo Horizonte, causa de um baita atraso no trajeto para buscar o vestido da Camila. Por mais que tivéssemos nos planejado ao máximo, esses últimos detalhes sempre são estressantes e tomam muito tempo.

De volta para a fazenda

Já na quinta-feira pela manhã voltamos para a fazenda, em definitivo dessa vez. Em um comboio de três carros, além de um montão de coisas, eu e Camila, meus pais e os avós da Camila e a Sibelle (mãe dela) com uma tia que ajudou na decoração. Além disso, o Dione, nosso videomaker, foi também um dia antes, com a gente.

Chegando na fazenda, foi preciso fazer alguns ajustes de cronograma, já pensando na possibilidade de chover. Assim, o mobiliário que ia chegar na quinta, passou para sexta-feira de manhã. O mesmo aconteceu com a decoração, sendo que os arranjos foram criados ao longo do dia na quinta e a o restante foi montado no próprio dia do casamento.

Outro detalhe muito importante: nós compramos as cervejas em BH, sendo metade um mês antes do casamento e a outra metade uma semana antes. Levamos para a fazenda de caminhonete, em duas viagens (entre as várias que fizemos ao longo do último mês para lá). O acordo que tínhamos feito com o buffet, excluindo a bebida para facilitar o transporte deles, deixou também por nossa conta a contratação das caixas térmicas, do gelo, da água, suco e refrigerantes. Tudo isso foi finalizado em uma distribuidora de Barbacena, na quinta e na sexta-feira.

Também fizemos o acompanhamento da montagem de todos os outros fornecedores, como a iluminação cênica e boate, mobiliário, decoração e as decisões de última hora.

A experiência do nosso dia

Quando paramos para lembrar de tudo que aconteceu, só temos a agradecer. Principalmente por todo mundo que se envolveu de coração, colaborando para que tudo desse certo. Como se não bastasse, São Pedro também contribuiu demais! Em todas as nossas idas para a fazenda ao longo dos nossos anos de namoro, dificilmente tínhamos visto um dia tão ensolarado e agradável. Não poderia ser melhor.

Diferentemente da maioria dos casais, acredito que tivemos uma experiência muito singular. Acompanhamos tudo que aconteceu no dia. Com tudo muito pertinho, acabamos nos envolvendo em toda a montagem, desde a definição das plaquinhas da decoração até a distribuição da cerveja nas caixas térmicas.

Tudo isso rolou enquanto a Camila e as madrinhas se arrumavam para o casório. Olhando hoje para o que foi nosso dia, podemos dizer que o nosso “making of” foi, na realidade, o making of de todo o casamento. Tudo acompanhado dos nossos amigos e da nossa família, o que tornou o dia em si ainda mais especial.

Um ponto importante para quem pensa em se arrumar no mesmo espaço do evento: é fundamental que os noivos fiquem despreocupados e confiem nos seus fornecedores. Por mais que a gente tenha se envolvido bastante na montagem, sabíamos que era preciso relaxar e aproveitar o dia.

First Look

Dentre tudo que incluímos na celebração do nosso casamento, o first look talvez seja o que mais se destacou. Alguns minutos antes da cerimônia começar, fui para um cantinho isolado da fazenda, escondido dos convidados. Lá, esperei pela Camila, de costas, para poder vê-la pela primeira vez vestida de noiva.

Como decidimos entrar juntos, nada melhor do que nos encontrarmos antes, um momento só nosso. A gente sabe que nem todo casal pode fazer esse tipo de coisa, principalmente quando a cerimônia acontece na igreja, onde os rituais são mais rígidos. Mas, se você pretende se casar em outro espaço como a gente, o first look é uma ótima escolha para criar um momento de muita emoção e intimidade entre os noivos. A gente recomenda!

A cerimônia

Como não poderia deixar de ser, nossa cerimônia foi cheia de detalhes que pensamos pra ser a nossa cara. Foi celebrada pelas nossas mães e o Igor, nosso amigo. Além disso, contamos com a participação de padrinhos e madrinhas especialíssimos, em um cortejo estilo americano.

Outra participação muito especial foi das priminhas da Camila, Lu e Carol, que tiveram um momento lindo delas. Recheada de emoção, verdade e personalidade, nossa cerimônia transpareceu tudo que o nosso casamento significava pra gente. As imagens falam por si só.

Sem dúvidas, a parte mais emocionante da nossa cerimônia foi a participação do Seu Nilo e da D. Ignêz, avós da Camila. Eles entraram com as nossas alianças, firmes e fortes até metade do tapete, quando o Seu Nilo desabou a chorar e nós, claro, não aguentamos também. Foi um momento de muita emoção e significado pra gente!

A festa

Não tem muito o que possa ser dito da nossa festa. Ela foi perfeita, animada e com todo mundo aproveitando ao máximo! Ao invés de descrever os fatos, vou aproveitar para deixar 4 dicas para vocês:

– Faça os retratos com calma

Os retratos são aquelas fotos com a família e padrinhos, além daquela sessãozinha dos noivos antes da entrada da festa. Por mais que sejam pessoas próximas que, com certeza, estarão com vocês na pista,  fazer estes retratos correndo é um grande erro. Afinal de contas, essas fotos são aquelas que irão para um porta-retrato da família. E nem sempre as crianças, pais e avós curtirão a festa na mesma intensidade que vocês e seus padrinhos, o que traz o risco de você ficar sem fotos com essas pessoas tão importantes.

– Passe de mesa em mesa

No dia, dificilmente conseguimos ter uma noção lúcida de tudo que acontece no casamento. É muita gente querida, muita emoção e muito amor vindo de todos os lados, o que impede que percebamos quem foi prestigiar a gente.

Uma ótima maneira de resolver isso é passar de mesa em mesa, cumprimentando os convidados. Ao contrário do que muita gente pensa, vocês não vão “perder tempo de festa” com isso. Na verdade, é uma ótima oportunidade para abraçar todos os seus convidados e ter uma foto com cada um deles. Claro que, para isso, contar com a eficiência do cerimonial é fundamental.

– Não aproveita quem não quer

Aquela lenda de que os noivos não aproveitam a festa é, definitivamente, balela. Quem quer, aproveita ao máximo. Nós nos acabamos de dançar, bebemos e comemos bem e curtimos tudo e todos que estavam no nosso casamento.

Aqui a dica é simples: fique na pista de dança! É nela que acontecem 90% dos melhores momentos do seu casamento. E uma pista animada só acontece com os noivos nela.

– As pessoas fazem a festa

Outra dica muito importante: seus convidados são fundamentais para uma festa animada. De nada adianta convidar 800 “conhecidos” que não se envolverão com os noivos. Quando a gente convida pessoas queridas e em sintonia conosco no dia, é impossível não ter uma festa animada.

 

Por hoje é só! No próximo post, vamos falar de cada um dos fornecedores fantásticos que ajudaram a tornar o nosso sonho uma realidade. Não deixe de acompanhar e, se tiver qualquer dúvida, é só deixar seu comentário abaixo!

Comentários
Adicione um comentário

FECHAR MENU